Servios hemoterpicos e dilise


 

 HEMOTERAPIA

É o emprego terapêutico do sangue e componentes.

Componentes sanguíneos

O Ciclo do Sangue consiste na captação, candidato à doação, triagem clínica e hematológica de doadores, coleta de sangue, hidratação e alimentação do doador, processamento do sangue, armazenamento dos componentes sangüíneos, exames laboratoriais (imunohematológicos e sorológicos), preparo da transfusão e o procedimento transfusão.

Os componentes sanguíneos: plasma rico em plaquetas; concentrados de hemácias e plaquetas; plasma fresco congelado e crioprecipitado são obtidos por processos físicos (centrifugação), a partir de sangue total.

Todos os procedimentos, desde a captação dos doadores até a transfusão do componente sanguíneo devem ser realizados em conformidade com o preconizado na legislação sanitária vigente, para garantir a qualidade do processo hemoterápico.
 

 DIÁLISE

 

Em 1999, observou-se que 74% das unidades apresentavam inadequações nos procedimentos de tratamento da água, o que levou a criação de um programa conjunto Centro de Vigilância Sanitária (CVS) e Instituto Adolfo Lutz (IAL) para monitorar a qualidade da água tratada para diálise. Os procedimentos de coleta de amostras de água são realizados pelas equipes de vigilância sanitária e as análises realizadas pelo Instituto Adolfo Lutz.  

A preocupação com o padrão de qualidade da água, seja ela proveniente do abastecimento público ou de fontes alternativas, é da maior importância para o paciente renal crônico terminal, que necessita da água para realização da terapia dialítica. É um importante problema de saúde pública que vem aumentando de forma significativa nos últimos anos, com o conseqüente aumento na sobrevida e na incidência de pacientes hipertensos e diabéticos. 

Atualmente, todos os Serviços de Diálise do Estado de São Paulo tem a água utilizada em diálise analisada anualmente pelo IAL e os resultados orientam a tomada de decisão e adoção de medidas proativas para o controle sanitário nesses serviços.