Notcias

CVS e parceiros realizam Workshop sobre Algas Txicas no Litoral Paulista

04/10/2017


O auditório José Ademar, da Secretaria de Estado da Saúde, sediou em 26 de setembro o Gestão Integrada para Controle e Vigilância de Florações de Algas Tóxicas no Litoral Paulista.

O evento é parte do plano de atividades que vem sendo desenvolvido pelas secretarias de Estado da Saúde (SES), do Meio Ambiente (SMA) e da Agricultura e Abastecimento (SAA) no âmbito do Grupo de Trabalho instituído pela Resolução Conjunta SES/SMA/SAA-1/2017 incumbido de “elaborar Plano de Contingência voltado ao enfrentamento integrado de florações de algas tóxicas no litoral paulista”.

O Workshop foi organizado pelo Centro de Vigilância Sanitária (SES), em conjunto com o Centro de Vigilância Epidemiológica (SES) Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb/SMA)), Coordenaria de Defesa Agropecuária (CDA/SAA) e Instituto de Pesca (IP/SAA) com o objetivo de conhecer, apresentar e debater experiências, referências técnicas e legais, bem como estratégias para enfrentamento integrado de florações de algas tóxicas no litoral paulista, de modo a subsidiar o Grupo Técnico Interinstitucional (GTI) criado pela resolução conjunta.

Destaque para as apresentações do professor Luis Antônio de Oliveira Proença, chefe do Laboratório Laqua-Itajaí, vinculado ao Instituto Federal de Santa Catarina, e da Dra. Isabella Fontana, chefe de Divisão de Sanidade de Moluscos e Crustáveos/Coordenação da Animais Aquáticos, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).

Além dos profissionais designados pelas três pastas para compor o Grupo Integrado de Trabalho, também participaram do evento representantes dos Grupos Técnicos Regionais de Vigilância Sanitária (GVS) e Vigilância Epidemiológica (GVE) de Caraguatatuba, Santos e Registro; regionais da Cetesb da Baixada Santista e São Sebastião;, regional do Ministério da Agricultura e Pecuária, Instituto Adolfo Lutz; secretarias de Saúde, Meio Ambiente e Agricultura de municípios que abrigam atividades de cultivo ou extração de moluscos bivalves: São Sebastião, Caraguatatuba, Ubatuba, Cananéia, Peruíbe e Ilhabela.

Clique aqui se quiser obter outras referências a respeito da floração de algas tóxicas e contaminação de moluscos bivalves.